Solidariedade a Maduro e à Revolução Bolivariana diante da agressão estadunidense!

01.11.2016

Nós da União Reconstrução Comunista, prestamos plena solidariedade a Nicolás Maduro e ao povo venezuelano em sua resistência aos ataques reacionários da direita venezuelana sustentada pelo imperialismo norte americano, contra a Revolução Bolivariana. 

 

Após a anulação do processo do referendo de revogação do mandato presidencial de Nicolas Maduro, com o tribunal apontando a fraude montada pela direita venezuelana, a Assembleia Popular, hoje comandada pela oposição, tentando se aproveitar da viagem de Maduro aos países membros da OPEP, orquestrou um golpe de estado, alegando vacância na presidência e quebra da ordem constitucional. Contudo, o povo trabalhador venezuelano se mobilizou e tomou a Assembleia Popular, impedindo a concretização da farsa teatral contra o governo bolivariano.

 

Com o acirramento da luta de classes na América latina, por sua vez na Venezuela as movimentações da direita pró - imperialista mais uma vez, a exemplo do que ocorreu em outras oportunidades na época do camarada Hugo Chávez, vem tomando um caráter cada vez mais agressivo e golpista, inclusive causando mortes aos trabalhadores venezuelanos, como nas guarimbas. No contexto atual, da escalada imperialista na América Latina, as tentativas de isolamento à Venezuela vêm aumentando gradativamente. Tais processos se dão, por exemplo, nas ações do presidente argentino Maurício Macri de impedir a Venezuela de assumir a presidência do Mercosul, as provocações do Chanceler José Serra, do governo golpista de Michel Temer, e a nova tentativa de uso da OEA contra os interesses do governo venezuelano, desta vez por parte do novo presidente do Peru. Este processo se intensifica com a grande probabilidade de Hillary Clinton se eleger à presidência dos Estados Unidos. A candidatura de Hillary Clinton é a preferencial dos monopólios do imperialismo ianque e do complexo bélico militar. Hillary foi secretaria de estado do governo Obama e foi peça chave na formulação da política externa hostil contra os povos oprimidos do terceiro mundo, e no enquadramento da Venezuela como um dos principais inimigos do imperialismo norte americano.

 

Saudamos a reação popular das massas populares venezuelanas diante da intensificação das agressões da direita e do imperialismo e sua ampla mobilização nas fábricas, bairros, favelas, universidades em defesa da Revolução Bolivariana. Soma-se a isso a postura anti-imperialista de um importante setor das Forças Armadas Bolivarianas que se puseram a postos para a total defesa de Maduro e do povo venezuelano.

 

É imperioso que todas as forças progressistas e democráticas se unam à defesa do povo venezuelano e sua Revolução iniciada por Hugo Chávez, reforcem a luta anti-imperialista e o internacionalismo diante do agravamento da crise do sistema capitalista-imperialista mundial e o recrudescimento de suas agressões contra os povos de todo o mundo.

 

Viva a Revolução Bolivariana!

Viva a luta anti-imperialista dos povos da América Latina!

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload